Ser Diferente e Igual

Posted by Grupo Web de Comunicação on 13:24 with No comments

Quando falamos em alunos de inclusão, uma realidade mundial, muitos pensam logo qual sua deficiência, qual sua doença, o que você tem, porque sua cabeça é maior que seu corpo, porque não consegue falar como os demais na sala, você me ouve, você me vê, se comunique comigo.
Essa é a chave para a verdadeira inclusão acontecer. A inclusão acontece quando a comunicação acontece, quando o ser diferente é normal, independente da deficiência de cada um, da síndrome de cada um. Nesse momento que inicia-se a comunicação, também, começamos a nortear a interatividade entre todos de uma escola e/ou sala de aula. 
Meu nome é Carina Belchior, vou comentar com vocês sobre o meu primeiro contato, como professora, de crianças  com deficiências, foi quando fui substitui na A.P.A.E do interior de São Paulo- Brasil, e haviam quatro alunos com deficiência severa, pensei não voltar mais naquela escola. 
Depois de quinze dias fui chamada para substituir em outra sala me senti desafiada e resolvi aceitar o convite e fui. Esta sala era com crianças com Síndrome de Down, me receberam com beijos e abraços, e eu fui receptiva, me apaixonei por eles. No momento pensei que eu pudesse ensinar tudo a eles, mas logo percebi que eu iria aprender muito com eles. De lá para cá, me especializei nessa área. Me sinto uma pessoa melhor e agradeço todos os dias por Deus, colocá-los  na minha vida.
Me formei em Educação Especial, com especialização em psicomotricidade e psicopedagogia. A educação inclusiva/Especial é uma ação educacional humanística, democrática, amorosa mas não piedosa, que percebe o sujeito em sua singularidade e que tem como objetivos o crescimento, a satisfação pessoal e a inserção social de todos.
COMO TUDO COMEÇOU: O conceito de educação inclusiva surgiu a partir de 1994, com a Declaração de Salamanca. A ideia é que as crianças com necessidades educativas especiais sejam incluídas em escolas de ensino regular. O objetivo da inclusão demonstra uma evolução da cultura ocidental, defendendo que nenhuma criança deve ser separada das outras por apresentar alguma espécie de deficiência. 
Do ponto de vista pedagógico esta integração assume a vantagem de existir interação entre crianças, procurando um desenvolvimento conjunto. No entanto, por vezes, surge uma imensa dificuldade por parte das escolas em conseguirem integrar as crianças com necessidades especiais devido à necessidade de criar as condições adequadas.
Com a Declaração de Salamanca surgiu o termo necessidades educativas especiais, que veio substituir o termo “criança especial”, termo anteriormente utilizado para designar uma criança com deficiência. Porém, este novo termo não se refere apenas ás pessoas com deficiência, este engloba todas e quaisquer necessidades consideradas “diferentes” e que necessitem de algum tipo de abordagem específica por parte de instituições. Num mundo cheio de incertezas, o Homem está sempre a procura da sua identidade e, por vezes, chega mesmo a procurar integrar-se na sociedade que o rodeia, pois fica um pouco “perdido”. 
A educação inclusiva apoia os deficientes numa educação especial. A Educação Especial é o ramo da Educação, que se ocupa do atendimento e da educação de pessoas deficientes, ou seja, de pessoas com necessidades educativas especiais. A Educação Especial é uma educação organizada para atender especifica e exclusivamente alunos com determinadas necessidades especiais. Algumas escolas dedicam-se apenas a um tipo de necessidade, enquanto que outras se dedicam a vários. 

A inclusão social das pessoas com deficiências significa torná-las participantes da vida social, econômica e política, assegurando o respeito aos seus direitos no âmbito da Sociedade, do Estado e do Poder Público. A inclusão é um processo que acontece gradualmente, com avanços e retrocessos isto porque os seres humanos são de natureza complexa e com heranças antigas, têm preconceitos e diversas maneiras de entender o mundo. Assim sendo, torna-se difícil terminar com a exclusão e mesmo existindo leis contra a mesma, não são leis que vão mudar, de um dia para o outro, a mentalidade da sociedade assim como o seu preconceito. 
Espero que tenham gostado da minha matéria e atébreve, Beijos e Abraços!
By Carina Aparecida Belchior

Carina Aparecida Belchior
Graduada em Pedagogia / Educação Especial 
Especialização em Psicomotricidade / Psicopedagogia
Professora de Sala de A.E.E -  Atendimento Educacional Especializado
Município de Itanhaém - Litoral Sul de São Paulo - Brasil 

O Lado Comum de Ser Diferente 

Hoje em dia, não podemos ter nosso próprio estilo sem sermos tratados diferentes, pela sociedade. Não podemos sair de casa com algum tipo de roupa, jeito, cabelo, que a humanidade já começa a te julgar e não precisa nem ser tão obvio como no filme: Eduardo mãos de tesouras.

Eu acho isso uma coisa horrível, pois, cada um tem sua preferência, seu jeito, suas características e se você não gosta, por que criticar?Nessas horas eu penso, que desse jeito, a humanidade não vai pra frente! Pois para progredir, precisamos de pessoas diferentes, e não de “robôs” todos iguais. 

Eu mesma conheço muita gente, que mudou de jeito, roupa enfim, só para as pessoas não a tratarem diferente.

Isso tem tudo a ver com o bullying, do qual já escrevi outra matéria para o site, na Seção "Papo Cabeça".

Para vocês verem que o mundo ESTÁ MUNDANDO, vejam que o presidente dos Estados Unidos é negro, sendo que nesse país, sempre existiu e ainda existe muito preconceito, a própria história americana passa pelo preconceito. Graças que em pleno século XXI existem muitas pessoas diferentes que fazem e fizeram a diferença! 

Mas, outro dia, fiquei horrorizada ao assistir o jornal, aonde apareceu uma matéria falando sobre alguns rapazes que agrediram outros, pelo simples motivos deles “parecerem” gays. O pior, é que esse não é um único caso, existem outros espalhados pelo mundo e não são, só pelo motivo de as pessoas serem gays, hoje em dia, as pessoas implicam de mais com tudo, antes porque não tínhamos uma democracia, então os diferentes eram simplesmente sucumbidos aos guarda-roupas, já no século XXI, temos a suposta democracia, mas ainda existem os casos de agressões aos diferentes e consequentemente os casos de agressões  sem sentido aparente também, seja pelas roupas até mesmo porque a outra tem um penteado “exótico”.

Gente diga NÃO a Homofobia

Existem várias tribos que se dizem descendentes do nazismo, que anda fazendo barbária em alguns Estados do Brasil.Essas tribos que se dizem defensoras do nazismo, se resume em discriminar, agredir fisica e verbalmente pessoas “diferentes”. Eles atacam desde pessoas por causa de sua cor, jeito, sexualidade, roupas, tribos até pessoas por seu lugar de origem. O mais triste é que não são apenas quem faz parte dessa "tribo malígna", que age desta forma, o povo em geral está sem regras de educação, sociabilização, moral, dignidade e respeito com o próximo. 

Se você for descriminado, tente deixar qualquer prova, porque discriminação é crime! E a pessoa que te descriminar ou agredir pode ser presa.

Eu mesma, já fui zuada, várias vezes por causa do meu jeito, mas eu nem ligo, me inspiro numa frase do Bob Marley : vocês riem de mim por eu ser diferente e eu rio de vocês por serem todos iguais.

Escreva para mim: By Paula Hernandes 

Reações: